Written by 07:34 Cultura, Literatura, Notícias, Teatro Views: 7

Thais Aguiar apresenta monólogo na FLIP 2023

Espetáculo Pagu — Do Outro Lado do Muro tem a atriz no papel de Patrícia Rehder Galvão, a Pagu e revela o resultado de uma investigação dos destroços mais profundos e pouco conhecidos da história da militante política e cultural, e uma das pioneiras do feminismo no Brasil.

Thais Aguiar interpretando Pagu no espetáculo Pagu — Do Outro Lado do Muro.

Há quatro anos, Thais Aguiar começou suas pesquisas para materializar a musa modernista no espetáculo Pagu — Do Outro Lado do Muro, com o texto de Tereza Freire.

O espetáculo terá duas apresentações em Paraty durante a FLIP 2023, no dia 22, na Casa Pagã, e no dia 24, na Casa Gueto, pouco antes de sua morte completar 61 anos.

“É impressionante como a história de Pagu ainda faz uma provocação extremamente atual sobre a luta por justiça social e retomando uma cultura de papel transformador. As pessoas poderão vivenciar uma jornada cheia de detalhes para entender toda a complexidade dessa personalidade”, explica Thais.

O texto é baseado no livro Dos Escombros de Pagu, resultado de uma tese de mestrado de Tereza Freire.

A pesquisa, que durou quatro anos, resgata a vida e a obra dessa importante precursora de comportamentos político-sociocultural brasileiros de uma feminista, militante política, ilustradora, comunista e crítica literária e teatral.

Ela marcou a história do Brasil, revolucionando e chocando a sociedade dos anos de 1930, com suas ações e pensamentos inovadores.

“Ao ler o livro fiquei extremamente apaixonada por Pagu e por tudo o que ela representa para o feminismo no Brasil, levantando essa bandeira em um período no qual as mulheres tinham pouco espaço para se expressar. Eu me agarrei a essa história que, como mulher, sinto que também é minha”, conta a atriz.

No palco, Thais traz uma Pagu que expõe a sua vida e a sua relação com Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade e os modernistas, com seus filhos, amores, amigos, família, viagens, descobertas, alegrias, tristezas.

A concepção cênica se propõe a repensar a linguagem de como o teatro narrativo foi apresentado, por meio dos estudos de Walter Benjamin e o teatro épico desenvolvido por Brecht.

O monólogo

Thais Aguiar é Pagu no espetáculo Pagu — Do Outro Lado do Muro — Crédito da foto: Orvalho Filmes/Gaspar Lourenço

Em Pagu — Do Outro Lado do Muro, a personagem volta para narrar sua trajetória de vida com todos os acontecimentos vividos e superados, sem qualquer sentimento de culpa e vitimização dos fatos.

Uma interpretação que mergulha nas memórias da personagem e emociona pela veracidade dos acontecimentos vivenciados, deixando o público livre para interpretar a história como quiser e com isso a narração atinge uma amplitude para além da informação.

Crédito da foto principal: Orvalho Filmes/Gaspar Lourenço

(Visited 7 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo