Written by 07:10 Cultura, Música, Notícias Views: 9

Ana Luísa Ramos anuncia data de estreia do álbum Solaris

Amor, maternidade e delicadeza se misturam em novo álbum composto por dez faixas; este é o terceiro disco autoral da artista.

Capa do álbum de música Solaris de Ana Luísa Ramos.

“Esse álbum fala de amor em suas diferentes formas. Seja o amor romântico, o amor de mãe, o amor por um lugar, por um momento… O amor que fica para sempre, e também o que perdemos”…

É o que divide Ana Luísa Ramos sobre Solaris (The Citadel House), seu terceiro disco solo que chega no dia 19 de abril às plataformas digitais.

Do latim, a palavra que dá nome ao trabalho significa sol.

“Vejo o amor dessa forma, como algo que nos guia e é vital na vida, assim como o sol. E isso se reflete em todo o álbum”, continua a artista, que compôs as músicas do repertório logo após o nascimento de sua filha, em 2022, enquanto passava boa parte dos seus dias com ela no colo.

De voz doce que traz em si ecos de suas experiências em corais, Ana Luísa Ramos expressa neste trabalho seus ideais de paz e alegria, com arranjos e ambiências que por vezes tornam-se meditativos.

“Ao ouvir o álbum, quero que as pessoas se conectem com esses sentimentos”, afirma.

A produção musical é assinada pela artista juntamente com o canadense Dean Stairs, que comenta a respeito:

“Ana Luísa possui um instrumento tremendo em sua voz, além de criar composições de nível elevado. O processo de gravação entre o Brasil e os Estados Unidos, e com mixagem no Canadá, nos proporcionou a oportunidade de contar com músicos excepcionais”.  

Gravado em diferentes estúdios entre maio e setembro de 2023, o álbum conta com a participação de Eric Taylor Escudero, parceiro de longa data da artista, que mantém ao seu lado o duo Ana & Eric.

Os arranjos são de Daniel Bondaczuk, produtor musical brasileiro radicado em Nashville que também trabalhou em canções do primeiro álbum da cantora.

Clovis Badari, que já se apresentou com artistas como Agnaldo Rayol, Roberta Miranda e Emicida, é quem assina a percussão e a bateria.

A capa

Com uma paleta de cores terrosas, a imagem da capa traz a essência orgânica que faz parte do trabalho de Ana Luísa Ramos.

“O conceito do projeto visual de Solaris remete à singela delicadeza das composições de Ana Luísa Ramos, à potência de sua voz e ao brilho de suas performances”, conta Thiago Dalleck, que assina o design da capa que conta com foto produzida por Sarah Kierstead.

Cantora comenta faixa a faixa

Prologue abre o disco, o apresentando.

“O fato desta música não ter letra reforça o seu caráter introdutório, sugerindo a estética predominante do álbum”, conta Ana Luísa.

A seguir vem I See Myself In You, uma meditação.

“A letra se repete por toda a canção conforme camadas harmônicas e melódicas vão se sobrepondo ao arranjo. Essas sobreposições sugerem novos sentimentos e perspectivas sobre o tema da música”.

Clareia é uma faixa em homenagem à Clara, filha da artista.

“Essa canção fala sobre conhecer emoções pela primeira vez, e sobre a forma com que elas preenchem toda nossa vida, como uma avalanche de alegrias, inseguranças, e amor sem fim”.

Clouds, o primeiro single a ser lançado, é uma bossa nova de clima nostálgico cantada em inglês.

Clouds fala sobre viver no presente e estar, de fato, presente. É sobre contemplar as pequenas grandes coisas da vida e querer se entregar por inteiro”.

Single do disco, Ser Saudade é um samba com metais tocados por Doug Felício e Otavio Nestares.

“Apesar da letra falar da saudade que corrói e da tristeza que ficou, esses sentimentos só existem, pois, muito amor foi dado”.

From This Love dá seguimento ao álbum com um retrato do amor não tão comum.

“Essa música trata do amor correspondido e aparentemente completo, e que, no entanto, se multiplica e se torna algo maior que nós mesmos”.

No Meu Lar a cantora e compositora faz uma ode ao lar e às preciosidades que o compõem:

“Muito mais do que uma simples casa, o lar é composto por e compõe a história de quem nele vive”.

Na sequência, Little Fingers traz, com muita suavidade, a contemplação da beleza de uma nova vida e suas nuances, refletindo o amor da maternidade.

Like a Dream, penúltima música do álbum, é uma bossa nova que fala sobre viver e se encantar por um amor maior que si.

Meditation é uma canção de encerramento que completa o ciclo iniciado em Prologue, e trata sobre o encontro consigo mesmo.

(Visited 9 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo