Written by 15:59 Exposição e Mostra, Notícias, Social Views: 1

Projetos de Fundação de Energia e Saneamento são contemplados pelo ProAC

Instituição promove nova exposição de longa duração no Museu de Energia de São Paulo e elabora projeto de restauro do sobrado do Museu da Energia de Itu.

Dois importantes projetos da Fundação de Energia e Saneamento foram contemplados no Programa de Ação Cultural (ProAC), da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, para serem realizados este ano, nas modalidades Museus e Acervos/Realização de Exposições em Instituições Museológicas e Realização de Projeto Executivo de Restauro e Revitalização de Bem Protegido.

Com as conquistas, a Fundação vai promover uma nova exposição de longa duração no Museu de Energia de São Paulo e elaborar o projeto de restauro do sobrado histórico do Museu da Energia de Itu.

“Contamos novamente com o apoio do ProAc para desenvolver projetos que valorizam a preservação do patrimônio histórico e cultural, a difusão do conhecimento e a transformação social através da reflexão e da adoção de novos hábitos e posturas.”, afirma Rita Martins, diretora executiva da instituição.

A nova exposição de longa duração do Museu da Energia de São Paulo vai abordar temáticas da história da energia, como fontes, processos, alternativas e tendências futuras.

Também vai abordar a história da industrialização e da urbanização da cidade de São Paulo, além de promover reflexão sobre o uso dos recursos naturais e as relações entre sociedade, energia e meio ambiente.

A previsão é de que a nova mostra seja aberta em outubro de 2023.

A elaboração do projeto executivo de restauro do sobrado do Museu da Energia de Itu não inclui a execução das obras, mas é um levantamento de tudo o que precisa ser feito para revitalizar o imóvel, materiais e técnicas que deverão ser utilizados para preservar as características históricas da construção.

O estudo será realizado pelo Estúdio Sarasá, em conformidade com as Resoluções de Tombamento do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat).

Apenas depois de concluído o projeto executivo, a Fundação vai buscar apoiadores para patrocinar os custos das obras necessárias.

Exposição de longa duração

A exposição ocupará sete espaços com temas diferentes, que se relacionam.

O espaço As memórias do casarão será dividido em quatro “tempos”: tempos do café, tempos do saber, tempos de morada e tempos do museu.

O espaço Lampião a gás introduz o visitante às transformações urbanas da capital paulista no século XIX, explorando a iluminação pública a gás e toda a estrutura desenvolvida para sua viabilidade.

O Bonde Elétrico é um espaço dedicado às transformações urbanas, sociais e culturais de São Paulo entre o final do século XIX e a primeira década do XX, impulsionadas pela energia.

A sequência do percurso expositivo leva à sala Transformações Urbanas, que vai apresentar as mudanças na paisagem de 1910 até 1959, desde a iluminação pública elétrica, os bondes elétricos, até a urbanização, industrialização e a importância da água para o desenvolvimento com a construção das primeiras usinas hidrelétricas.

Na sala A energia que vem da água serão apresentadas as grandes usinas hidrelétricas geradoras de energia, a fonte mais importante da matriz brasileira, seus impactos na paisagem, fauna, flora e para as populações.

O espaço Cidades Inteligentes? mostra o uso da energia e da água nas cidades até os dias de hoje e aponta como esses recursos devem ser pensados nas cidades inteligentes para que seu acesso seja um direito e não um privilégio.

Fechando o percurso, o Espaço Energia exibe a transição entre história e ciência, destacando a pluralidade das pessoas cientistas responsáveis pelos avanços científicos.

Um dos pontos altos da sala será a apresentação, de forma lúdica e didática, dos diferentes tipos e processos da geração, transmissão e distribuição da energia.

Sobrado do Museu de Energia de Itu

O projeto executivo de restauro prevê o desenvolvimento de projeto arquitetônico com o uso de tecnologias não invasivas, como escaneamento tridimensional e câmera térmica, para estudos e definições precisas das técnicas construtivas, dos danos e das patologias presentes no edifício.

O projeto vai propor como devem ser executadas obras de restauro das fachadas do edifício, dos azulejos, das esquadrias de madeira e gradis de ferro forjado; a estabilização e reforço estrutural do assoalho; reparação das instalações elétricas; adequação das instalações hidráulicas; implantação de recursos para o reaproveitamento de águas pluviais e captação de energia solar; higienização e iluminação do sítio arqueológico e a reforma do deck de madeira sobre ele, entre outros.

A contrapartida do projeto serão as oficinas Zeladoria do Patrimônio, realizadas pela Fundação em 2023 em datas a serem definidas, que vão qualificar crianças e adultos para atuar na conservação de edifícios antigos, com iniciativas simples e de baixo custo.

A oficina inclui ações de conservação e proteção do patrimônio cultural das comunidades através da conscientização, formação de agentes locais e informação aos visitantes.

O sobrado do Museu da Energia de Itu é um exemplo remanescente da arquitetura urbana do século XIX, caracterizado pelas técnicas construtivas da taipa de pilão e pau-a-pique, pela decoração interna de suas paredes com desenhos e pinturas e pelo revestimento em azulejo português de sua fachada principal.

Criado em 1999, o Museu da Energia de Itu é a primeira unidade museológica da Fundação Energia e Saneamento.

As primeiras ações de restauro do edifício datam de 1992 e em 1998, a Fundação Energia e Saneamento iniciou o processo de restauro e revitalização do sobrado para a instalação do Museu da Energia de Itu, ocupando o prédio em sua totalidade para as atividades museológicas.

Após 24 anos, o sobrado necessita de uma revitalização estrutural.

Apesar dos serviços de zeladoria e manutenção, a instituição precisa de verbas para realizar ações mais complexas, que exigem investimento financeiro maior que o orçamento anual do Museu.

Por isso, após a conclusão do projeto executivo pelo ProAC, a Fundação vai dar início à fase de captação de recursos para execução das obras.

(Visited 1 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo