Written by 07:23 Lifestyle, Pauta PcD, Saúde e medicina Views: 3

Diagnóstico do autismo em adultos é mais complicado

Especialista do Órion Complex conta que expansão do conhecimento tem possibilitado essa descoberta na maior idade e pontua sinais a serem observados.

Imagem de um laço azul simbolizando o Dia Mundial da Conscientização do Autismo.

O Brasil tem uma grande ausência de dados atualizados sobre o autismo, os últimos são de 2010 e feitos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Nos Estados Unidos, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) apontava estimativa que uma em cada 36 crianças com menos de 8 anos possui a condição.

Considerando esse estudo, o Brasil teria cerca de 6 milhões de pessoas com o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O dia 2 de abril foi instituído pela ONU em 2008 como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e o mês ganha a cor azul para ressaltar a condição.

Um fato que tem chamado atenção ultimamente para o TEA é o diagnóstico tardio, inclusive em famosos.

A neurologista Lanucy Freita de Lima Maia, que atende no centro clínico do Órion Complex, em Goiânia, destaca que diagnosticar o autismo em adultos é mais difícil.

“Na criança a gente consegue ver como ela está se desenvolvendo e como o transtorno do espectro autista é um distúrbio de neurodesenvolvimento, pegando no começo, ajuda bastante a reconhecer as alterações. No adulto às vezes temos as características da personalidade da pessoa, além de outros transtornos psiquiátricos, que podem confundir”, explica.

A médica ressalta que a maior descoberta do autismo em adultos se deve ao aumento do conhecimento dos profissionais.

“Tem se falado mais, suspeitado mais. A maioria de quem hoje é adulto já apresentava esses sintomas desde a infância, porém naquela época, não tínhamos o conhecimento que a gente tem hoje, os estudos, os profissionais e acaba que não foi feito o diagnóstico na infância, mas o transtorno continua prejudicando a vida da pessoa. Agora, felizmente, essas pessoas estão tendo a oportunidade de serem diagnosticadas e tratadas corretamente”, pontua.

Os níveis do autismo

O autismo possui níveis, os quais indicam a independência da pessoa.

No nível 1 o adulto precisa de pouco suporte, no 2 é necessário um auxílio razoável e o 3 é quando o indivíduo precisa de muita ajuda.

O primeiro é o mais difícil de ser diagnosticado.

“O nível de suporte 1 é o mais difícil de se diagnosticar, porque é o que apresenta menos sintomas visíveis. A pessoa tem mais sintomas que geram sofrimento nela, como dificuldade de comunicação, de compreensão, de se expressar, de sair da rotina. São algumas alterações que quem vê de fora pensa que é só o jeito dela, que não tem nada e acaba julgando que aquilo não é importante”, detalha a especialista.

Lanucy Maia pontua os sinais a se observar sobre o TEA em adultos.

“O principal sintoma é a dificuldade de comunicação e de interação social. Lembrando que isso vem da infância. Então um adulto que quando criança interagia, tinha amigos, conseguia ficar ali um local cheio e depois na adolescência ou na idade adulta iniciou essa dificuldade a gente não pensará em autismo, analisamos outros transtornos. A pessoa com TEA têm dificuldade de fazer amizade, de formar vínculo, a maioria não gosta de estar em locais com muitas pessoas, gosta de ficar mais sozinho, mais isolado, tem a dificuldade de sair da rotina, tem uma rigidez muito grande no que ele planeja, quando sai alguma coisinha diferente fica totalmente descompensada”.

Segundo a neurologista, o tratamento do TEA em adultos é parecido ao de crianças, mas com menor eficácia.

“O tratamento do transtorno de espectro autista são basicamente terapias. No adulto a gente também pode fazer as terapias, mas com uma resposta menor. Quanto mais novo começar a terapia, melhor é o resultado. No adulto, geralmente ele já chega com comorbidades, com transtorno de ansiedade, depressão, entre outros. O cérebro dele já está formado. A gente nasce com o cérebro imaturo e ele vai amadurecendo e se formando até os 18 anos, quando passa dessa idade a gente tem pouca oportunidade de mudança. Isso não quer dizer que não deve ser feito o tratamento, as terapias continuam sendo muito importantes, porém quanto antes iniciar, melhor”.

(Visited 3 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo