Written by 07:26 Cultura, Música, TV, Cinema e Streamings Views: 12

Scalene assina trilha sonora de média-metragem

A banda pausou o hiato para lançar single e EP exclusivo para o projeto Obscuro: Cortina de Fogo.

Capa do single Obscuro do trio Scalene.

Em hiato desde outubro de 2022, a Scalene fez um experimento que reúne, além de duas canções com letras, músicas instrumentais em sua primeira trilha sonora.

O convite para criar a atmosfera do média-metragem Obscuro: Cortina de Fogo partiu do criador de conteúdo Matthew Magrath (conhecido pela alcunha de Cinemagrath), que cultiva uma relação de longa data com o trio brasiliense formado por Gustavo Bertoni, Tomás Bertoni e Lucas Furtado.

Lançado nas plataformas de streaming de áudio no dia 24 de novembro (ouça abaixo), o single intitulado Obscuro antecedeu o filme, que foi lançado na Twitch no dia seguinte, juntamente com o EP de nove faixas (com produção de Lucas Mayer).

A trilha sonora é lançada pelo selo Slap, da Som Livre, com quem Scalene é assinada desde 2015.

A caminhada ao lado de Cinemagrath se iniciou quando, de fã, em 2018, ele passou a chamar atenção por seu trabalho e contratado para ser fotógrafo e social media da Scalene.

Agora, em 2023, mesmo com o hiato da banda, Matt e Scalene se juntaram para compor toda a trilha sonora de Obscuro: Cortina de Fogo.

“Sabe quando você está viajando de férias, mas acaba se inspirando e trabalhando um dia ou outro? (risos). Enfim, foi meio que isso. Uma pausa da pausa e o hiato continua. Queríamos muito fazer essa parceria com nosso irmãozinho”, explica Tomás.

O filme

Pôster do média metragem Obscuro: Cortina de fogo no Catarse (Reprodução da internet)

A temática principal do filme Obscuro: Cortina de Fogo gira em torno da luta do protagonista contra a depressão, a ansiedade e suas próprias inseguranças.

“Indiretamente, o projeto aborda também o aspecto da transição para a vida adulta e seus desafios. O personagem amadurece ao longo da trama, em busca do equilíbrio entre a luz e a sombra”, conta Tomás.

Ele adiciona:

“São temas que já abordamos no Scalene, quando tínhamos a idade dele (risos), então foi bem legal trazer o que podíamos para esses sentimentos, a partir da nossa própria experiência com essas questões.”.

A banda e a trilha sonora

Trio Scalene (Yvã Santos)

Formada em Brasília em 2009, Scalene vem construindo uma história sólida.

Com suas raízes no rock, a banda abrange o underground e o mainstream, e passeia por diferentes sonoridades.

Entre 2013 e 2019, o grupo lançou quatro aclamados álbuns, conquistou um Grammy Latino pelo disco Étere participou de diversos festivais e eventos, o que consolidou o Scalene como um dos principais nomes da música brasileira da geração.

Em 2020, com Fôlego, conseguiram mais uma indicação ao Grammy Latino.

Após a turnê do álbum LABIRINTO, em 2022, a banda anunciou que entraria em hiato.

Foi Cinemagrath quem conseguiu convencer o grupo a trabalhar, mesmo no contexto da pausa.

O single Obscuro, selecionado para ser a faixa-foco do filme, é uma das duas músicas com letra do projeto majoritariamente instrumental.

“Nos pareceu uma oportunidade legal, como Scalene, fazer um projeto que dava um contexto de fazermos músicas instrumentais. É uma vontade antiga”, acrescenta Tomás.

Não à toa, o conceito do média-metragem se relaciona com trabalhos antigos da banda.

“Mesmo as músicas instrumentais são composições que poderiam estar no LABIRINTO ou no Magnetite, por exemplo. Do post-rock ao piano contemporâneo, do Trip-hop ao sludge metal, exploramos muitas referências, principalmente nas instrumentais”, finaliza Tomás.

Matt iniciou com a ideia geral e a banda colocou em prática tudo que havia sonhado.

“Fizemos uma música/tema de cada capítulo do filme e foi legal ver como a composição da trilha sonora ajudou o Matt a aperfeiçoar o roteiro e a tangibilizar o que seria o média-metragem”, finaliza Tomás.

Toda a composição foi feita nos home-studios de Gustavo, Tomás e Lucas, com gravação de voz no estúdio da produtora DaHouse (responsável também pela produção e pela finalização) e a bateria com o Maick Souza.

Lucas Mayer, sócio da DaHouse, também assina algumas composições com a banda.

(Visited 12 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo