Written by 07:58 Lifestyle, Notícias, Saúde e medicina Views: 6

Identificando transtornos alimentares infantis e juvenis

Os transtornos alimentares em crianças e adolescentes têm sido cada vez mais frequentes, por isso o psicólogo Filipe Colombini traz informações sobre o assunto.

Foto ilustrativa de uma jovem magra com percepções negativas sobre seu corpo.

Crianças e adolescentes sofrem cada vez mais com transtornos alimentares, como anorexia, bulimia e compulsão alimentar.

Segundo o psicólogo parental Filipe Colombini, CEO da Equipe AT, estas desordens psiquiátricas têm forte influência neuropsicossocial.

“É importante destacar que nestes quadros não se trata de uma influência biológica exclusivamente, como a exercida pela genética e pré-disposições”, diz Colombini.

“O ambiente e cultura da família, ou seja, as influências sofridas no lar, as quais chamamos de sociais, têm grande peso na raiz desses transtornos”, conclui.

A questão é alarmante, o que é comprovado por um estudo global recente, que avaliou mais de 63 mil crianças, publicado na revista científica Jama Pediatrics: um em cada cinco jovens de 6 a 18 anos apresenta desordem alimentar.

Em meninas, a proporção é ainda maior, chegando a quase um terço (30%) em comparação aos meninos (17%) de mesma idade.

Segundo Colombini, é muito importante pensar nas influências que a criança e o jovem recebem na hora de se alimentar.

Isso porque podem ocorrer pressões na alimentação por parte dos responsáveis, que fazem do ato de se alimentar “um problema”, em situações nas quais existem atitudes de invalidação, com punições, ameaças e comparações.

E aqui, não necessariamente o pai, a mãe e os responsáveis têm transtornos alimentares, mas eles podem estar simplesmente transmitindo padrões equivocados na hora da alimentação.

“A influência acontece muito por meio dos modelos que a criança observa no dia a dia, as coisas faladas, e esse ambiente social pode levar a anorexia, bulimia, mas também a um excesso na alimentação, que leva à obesidade, que sabemos ser um importante fator de risco para o surgimento de diversos problemas de saúde”, destaca o especialista.

Para além do ambiente doméstico

As informações recebidas pelos mais jovens por meio da mídia (televisão, internet, revistas, etc.) não podem ser negligenciadas e exercem forte papel nesse contexto, com a transmissão de valores equivocados e perturbadores, onde adolescentes buscam incansavelmente conquistar um inatingível padrão de beleza imposto por estes canais.

“Muitas pessoas estão perdendo o prazer de viver, tornando-se solitárias, por estarem inconformadas com sua forma física e passam a controlar os alimentos que ingerem, para não engordar, por exemplo; essa submissão gera um forte sentimento de autorrejeição”, diz Colombini.

“E os mais jovens tendem a ter problemas relacionados à autoestima, autoconfiança, e dessa forma o ato de comer passa a ser associado a questões ruins, limites inflexíveis e invalidações”, completa.

Como identificar que seu filho está sofrendo com um transtorno alimentar?

Segundo Filipe, os transtornos alimentares são em gerais silenciosos, surgindo em meio a punições, invalidações e atitudes controladoras.

Por sentirem vergonha ou estigmatização, muitas crianças e adolescentes não falam sobre o assunto, escondendo os principais sintomas.

Mas existem alguns sinais que chamam a atenção, como isolamento, aumento de comportamentos impulsivos, medo, ansiedade e receio em situações alimentares.

Os jovens também começam a demonstrar forte preocupação com sua imagem corporal e peso, com o que os outros vão pensar.

“A criança ou adolescente deixa de aproveitar o alimento em si, sua forma, sabor e textura, mas passa a avaliar os alimentos por seu aporte calórico, além de estar sempre se comparando com os outros”, diz o especialista.

Como deve ser o tratamento?

O acompanhamento familiar e uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, psicólogos e nutricionistas, são essenciais para o tratamento de crianças e adolescentes que sofrem com algum tipo de transtorno alimentar, porque estes distúrbios afetam a saúde física, mental e a vida social.

“O psicólogo que atua como acompanhante terapêutico (AT) é altamente recomendado nestes casos, pois atua diretamente no âmbito familiar, identificando eventuais gatilhos dos transtornos e agindo para modificar padrões de pensamento disfuncionais relacionados à alimentação e à imagem corporal”, diz Filipe.

“Além disso, o apoio emocional e a educação dos pais são essenciais para fortalecer o suporte social do jovem, contribuindo para que este tenha um relacionamento saudável com a alimentação e o corpo”, conclui.

(Visited 6 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo