Written by 11:31 Cultura, Notícias, Teatro, TV, Cinema e Streamings Views: 9

Grupo Quatroloscinco e seu Teatro do Comum realiza Mostra em Belo Horizonte

A programação comemorativa aos 15 anos do grupo reúne espetáculos, oficinas, bate-papos, leituras dramáticas e minidocumentário sobre a trajetória de uma das companhias mais respeitadas da cena mineira, vista em 21 estados brasileiros e, em países, como Cuba, Uruguai e Argentina.

Grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum (BH/MG), premiada companhia do teatro mineiro, reconhecida por seu trabalho coletivo e autoral, realiza a Mostra Quatroloscinco 15 anos: Espetáculos, Oficinas e Encontros, que vai de março a maio de 2023.

A programação comemorativa começa no dia 2/03, quinta-feira, com apresentação de um dos mais conhecidos trabalhos do coletivo, o espetáculo Fauna.

O público vai poder rever também outros sucessos da trupe como Ignorância, Get Out! e Tragédia.

Todas as peças ficam em cartaz, no mês de março, de quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h, no Galpão Cine Horto.

Nas quintas, as sessões possuem intérprete de libras.

Os ingressos custam a R$20 (inteira) e R$10 (meia) pelo Sympla ou na bilheteria do teatro, duas horas antes do início de cada apresentação.

Além das peças, a mostra oferece, gratuitamente, ao longo de três meses, quatro bate-papos, duas oficinas de atuação e dramaturgia, e ainda, leituras dramáticas de trabalhos que não estão mais no repertório: É só uma formalidade, Outro Lado e Humor.

A programação finaliza em maio com estreia de minidocumentário, que reconta a trajetória da companhia e seu Teatro do Comum, seguida de festa de encerramento, ambas com entrada franca, no Galpão Cine Horto.

Este projeto tem patrocínio da Cemig, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

“Somos um grupo mais maduro, mais certo do que queremos e mais consciente do que construímos. Fazemos escolhas com mais propriedade e aprendemos a lidar com as diferenças de cada integrante, fazendo delas a potência do coletivo”, afirma Marcos Coletta, ator e um dos fundadores do Quatroloscinco.

Formado em 2007, pelos artistas Assis Benevenuto, Ítalo Laureano, Maria Mourão e Rejane Faria, o Grupo Quatroloscinco surge como coletivo de pesquisa dos alunos da graduação em Teatro da UFMG.

Com estudos e prática teatral baseada na criação coletiva e autoral, o grupo busca, desde sempre, uma cena centrada no jogo entre os atores, na relação com o texto e no encontro com o espectador.

“O Teatro do Comum simboliza nossa busca por uma cena que seja acessível a todos, comum no sentido comunitário, convivial, na relação direta e aberta com o espectador e com diferentes camadas de fruição. Minha avó do interior e um doutor em teatro da UFMG devem conseguir acessar as peças, cada um com sua bagagem”, explica.

Depois de 15 anos de estrada, prêmios, mais de 70 cidades percorridas e uma pandemia pela frente, agora chega a hora do grupo dividir novamente, com o público belo-horizontino, uma programação robusta, em formatos diversos.

“Desde 2022 voltamos aos palcos e, aos poucos, estamos retomando nossa agenda, que sempre foi muito movimentada”, comenta.

Entre as atrações presenciais, está a minitemporada dos espetáculos, em repertório, no Teatro do Galpão Cine Horto.

Fauna (2016) que poderá ser vista de 2 a 5 de março, foi inspirada na obra do filósofo Vladimir Safatle, e discute temas como violência, desejo, liberdade, confissão e desamparo.

Em cena, os atores rompem com a narrativa tradicional e os limites físicos entre palco e plateia.

De 9 a 12 de março é a vez de Ignorância (2015) que conta com seis indicações ao prêmio Copasa/Sinparc e vencedora na categoria Melhor Atriz para Rejane Faria.

A peça trata de temas atuais que refletem sobre a dificuldade de se conviver em uma sociedade cada vez mais polarizada.

Em Get Out! (2013), em cartaz de 16 a 19 de março, um homem não consegue embarcar em seu voo devido ao medo do avião cair, e para provar que esse medo tem fundamento, encena diversas situações e histórias em um jogo íntimo com o espectador.

Solo e dramaturgia de Assis Benevenuto, a peça esteve em diversos estados do Brasil, Cuba, Argentina e Uruguai, e concorreu aos prêmios Sinparc 2014 de Melhor Ator e Melhor Texto Inédito.

E, por fim,  Tragédia (2019) encerra a mostra de espetáculos, de 23 a 26 de março.

Baseada em Antígona de Sófocles, a peça, dirigida pelo cineasta Ricardo Alvez Júnior, flerta com o cinema.

Com quatro indicações ao prêmio Sinparc 2020 e vencedora na categoria Melhor Atriz, é primeira vez que o grupo trabalha com diretor convidado.

Ainda dentro das ações presenciais, a trupe oferece duas oficinas gratuitas sobre o trabalho de atuação e dramaturgia nas peças do Quatroloscinco.

A oficina de atuação será ministrada por Ítalo Laureano e Rejane Faria, e a de dramaturgia, por Assis Benevenuto e Marcos Coletta.

“Vamos compartilhar com os participantes um pouco do que desenvolvemos ao longo desses quinze anos, tendo os espetáculos como material de observação e análise”, conta.

As oficinas acontecem no Galpão Cine Horto e para participar, os interessados deverão se inscrever através do site do grupo e aguardar seleção.

A programação prevê também bate-papos online com artistas convidados que atravessam a história da companhia.

Marina Arthuzzi (iluminação), Ana Hadad (voz e texto), Ed Andrade (cenografia) e Barulhista (trilha sonora) vão conversar sobre a parceria construída ao longo dos anos e como contribuíram para as criações do Quatroloscinco.

“Entendemos o grupo como um laboratório de criação coletiva onde todos têm a mesma liberdade criativa. Assim, a gente aprende muito com os parceiros, é um processo artístico, mas também pedagógico. Marina Arthuzzi, por exemplo, está conosco desde a primeira cena curta. A forma dela fazer e pensar o teatro se funde com a nossa”.

Os bate-papos acontecem toda terça, no mês de março, às 20h, no canal do grupo no YouTube e as lives serão abertas para interação do público no chat.

Ao longo de abril, o grupo lança leituras dramáticas de três peças mais antigas e que não estão em cartaz durante a Mostra.

Humor, Ouro Lado e É só uma formalidade serão gravadas, editadas e disponibilizadas em formato audiovisual, no YouTube do Quatroloscinco, com acesso gratuito.

“Duas delas nem temos mais os cenários e figurinos. Revisitá-las de outra forma é como recriá-las de um ponto de vista diferente, mais maduro. Também é uma maneira de ressaltar e dar visibilidade para nossa produção dramatúrgica. O texto de uma peça não depende da peça, é uma obra autônoma e oferece outra experiência ao espectador”, comenta Marcos Coletta que coassina seis dos sete textos inéditos da companhia, publicados pela Editora Javali.

Para completar os festejos, o grupo lança, em maio, um documentário sobre os 15 anos, seguido de festa de encerramento.

Produzido em parceria com a cinegrafista e documentarista Janaína Patrocínio, a produção será exibida no Galpão Cine Horto.

“O filme se transforma em um registro para o futuro não só para o público, mas para nós mesmos. Daqui a 15 anos, vamos poder voltar ao que somos agora e ao que fomos desde que essa história começou. Isso se contrasta com a efemeridade do espetáculo teatral, e por isso é tão importante produzir provas de que tudo isso foi feito e existiu”, reflete Coletta.

(Visited 9 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo