Written by 07:35 Cultura, Entrevista, Literatura, Notícias Views: 58

Bate-papo com Thereza Christina Rocque da Motta

A Ponte de Versos oferece há 24 anos um delicioso cardápio literário no Rio de Janeiro, e em junho o evento comemora em grande estilo com muitos poemas e poetas, e foi para saber como este evento surgiu que conversamos com a poeta e organizadora do evento Thereza Christina Rocque da Motta.

Em 1999 surgia no Rio de Janeiro um evento repleto de poemas e poetas.

O evento Ponte de Versos, que hoje é organizado por Thereza Christina Rocque da Motta, escritora e fundadora da Ibis Libris, apresenta até hoje um suculento “cardápio” repleto de pratos principais, sobremesas e saideira, onde o que é alimentado é a nossa alma literária e poética.

Em comemoração aos 24 anos do evento, a edição de junho ainda festeja Santo Antônio e o aniversário de Fernando Pessoa com Alexandre Brandão, Mano Melo, Natália Parreiras e Thássio Ferreira, ao lado de Thereza Christina Rocque da Motta.

E é claro que fomos saber mais sobre como surgiu o evento, sobre a organizadora e muito mais, confira:

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro é um prazer poder recebê-la em nosso site, e gostaria de começar perguntando: Como surgiu a ideia e a oportunidade de realizar a primeira edição do Ponte de Versos em 1999?

Thereza Christina Rocque da Motta: A Ponte de Versos nasceu da iniciativa dos poetas do Jardim Botânico com a recente abertura da antiga Livraria Ponte de Tábuas, na Rua Jardim Botânico, esquina com a Rua J.J. Seabra.

Entre outros, estavam Sady Bianchin, Cairo Trindade, Pedro Tostes, Ana Paula Pedro e Gilson Maurity, então o movimento começou no dia 15 de junho de 1999, quando aconteceu o primeiro encontro.

Eu passei a participar a partir do mês seguinte em 15 de junho a convite do Cairo Trindade, que faleceu há poucos anos.

Na época, o evento era quinzenal.

Victor Hugo Cavalcante: Como surgiu sua relação com a literatura enquanto leitora, escritora e fundadora da editora Ibis Libris?

Comecei a ler poesia aos oito anos, por iniciativa de minha mãe, que era uma grande leitora de poesia.

No meu oitavo aniversário, ela leu Meus oito anos, de Casimiro de Abreu, e me disse que, se o poeta havia feito um poema para aquela idade dele, isso queria dizer que a idade que eu estava fazendo naquele dia (10 de julho de 1965) era muito importante.

Comecei a escrever poesia aos 15.

Entre 15 e 19 anos, escrevi 100 poemas lidos pela poeta Hilda Hilst, amiga de mamãe, que lhe disse que eu estava no caminho certo para escrever poesia.

A Ibis Libris surgiu um ano após participar quinzenalmente da Ponte de Versos.

A convivência e a troca de poemas fez com que muitos tivessem textos para publicar.

Como eu já tinha experiência de publicar meus livros, desde março de 1980, aos 22 anos, um dos poetas da Ponte de Versos me pediu para publicar o livro dele e assim nasceu a Ibis Libris, em agosto de 2000.

Victor Hugo Cavalcante: Este ano o projeto Ponte de Versos completa 24 anos em junho, mesmo mês do nascimento do poeta português Fernando Pessoa. Para você, como editora e escritora, qual é a importância de surgir mais projetos de leitura de poesia e poemas de novos autores brasileiros?

Participo de grupos de poesia e de eventos poéticos desde a década de 1980 em São Paulo.

Quando vim para o Rio em 1999, aqui já havia um movimento poético em curso, que passei a integrar assim que cheguei no início desse ano e não parei mais.

A Ponte de Versos gerou a Ibis Libris, publiquei várias antologias dos poetas da Ponte e dos outros eventos de poesia que existem desde aquela época até hoje no Rio.

Sempre surgem novos encontros e novos poetas se apresentam, pois precisam de espaços para ler seus poemas, como precisei quando comecei.

Victor Hugo Cavalcante: Conte-nos o que podemos esperar do 7º encontro presencial de 2023 do Ponte de Versos que comemorará o nascimento de Fernando Pessoa.

São 135 anos do nascimento de Fernando Pessoa em 13 de junho e 88 de sua morte em 30 de novembro.

Pessoa é o patrono da Ibis Libris Editora, pois tomei emprestado o seu apelido, Íbis, para dar nome à minha editora.

Ele costumava assinar as cartas de amor à sua namorada Ophelia como “Seu Íbis” e ela era a “Íbis-Bebê”.

Hoje temos a publicação de todas as cartas, publicadas pela Editora Capivara, tanto as de Fernando como as de Ophelia.

É um lindo livro que eu não poderia deixar de ter.

E a íbis, pássaro sagrado dos faraós está encravada no Pão de Açúcar, então, a íbis é carioca.

A ave empresta sua cabeça para Thoth, deus da literatura e criador do alfabeto egípcio.

Foi uma feliz coincidência a realização da Ponte de Versos deste mês no mesmo dia do aniversário de Fernando Pessoa, patrono da editora.

O evento deveria ocorrer em 20 de junho, terceira terça-feira do mês, mas devido a um imprevisto da Blooks, onde se realiza a Ponte, tivemos que antecipar uma semana, e ganhamos o dia 13 de junho de presente, também dia de Santo Antônio e por isso Fernando Pessoa tem esse nome (Fernando Antônio Nogueira Pessoa), pois o santo também era Fernando. 

Victor Hugo Cavalcante: Quais as principais dicas que você dá para quem deseja algum dia se tornar escritor?

Leia, leia, leia, depois, escreva, escreva, escreva, troque poemas com outros poetas, absorva tudo ao máximo, fique com os olhos e ouvidos atentos, para aprender tudo que puder.

Só uma experiência contínua faz com que possamos nos tornar aquilo que queremos ser.

Eu nasci poeta, mas eu também tive que me tornar poeta, eu tive que aprender a escrever os pensamentos que me ocorriam.

Estude muito, pois, só estudando e aprendendo poderemos realizar nossa missão como escritores.

Hoje já publiquei livros de contos, crônicas e histórias infantis.

Também sou tradutora do inglês, língua que eu também domino para escrever poesia.

Victor Hugo Cavalcante: A Ponte de Versos é divida como se fosse um cardápio literário (Prato Principal, Sobremesa e Saideira), por que e de onde surgiu esta ideia?

Em 2000, quando Gilson Maurity convidou a mim e Ricardo Ruiz (autor do 1º livro da Ibis Libris) para coordenar a Ponte de Versos com ele, continuamos fazendo aquilo que já acontecia naturalmente durante o primeiro ano de evento.

Havia os convidados, em geral, quatro, e cada um lia de 10 a 15 minutos.

Esse era o Prato Principal.

Quando acabavam, abríamos para a Sobremesa quando todos poderia ler um poema por vez e por último, líamos mais um poema de Saideira.

Essa “receita” sempre deu certo.

Dava tempo de todos participar, de todos ouvirem e serem ouvidos.

Não havia palco nem plateia.

O evento acontecia num café do mezanino da Livraria Ponte de Tábuas, um lugar pequeno, mas que chegou a acomodar 40 pessoas, sentadas e de pé.

O calor da poesia, da leitura direta, sem microfone, sempre fascinou os que iam ouvir e dizer seus poemas, muitos, pela primeira vez.

Depois a livraria fechou e em 2002 fomos para o Barteliê, em Ipanema e, em 2004, fomos para a Livraria DaConde, no Leblon, depois a Livraria do Bardo entre 2011 e 2013 e de novo a DaConde, onde ficamos até 2015.

Retornamos em fevereiro de 2022, na Blooks de Botafogo, sempre com o mesmo Cardápio Literário.

Victor Hugo Cavalcante: Como são escolhidos os autores que se apresentam no menu literário da Ponte de Versos?

A escolha é aleatória, depende de quem eu encontro em outros lugares, em lançamentos, com quem eu vou falando de um mês para outro, sempre montando o evento do mês seguinte ao que já está configurado.

Falo com os poetas diretamente, e confirmo sua participação.

Outros vêm espontaneamente participar da Sobremesa.

Publiquei quatro antologias, dois Poemas Cariocas (2000 e 2012) e duas da Ponte de Versos (2004 e 2008), então recorro àqueles que já participaram de outros encontros, há 10, 20 anos, para poderem voltar para este novo lugar de leitura de poesia.

Senão são poetas novos, que nunca estiveram na Ponte de Versos e agora poderão ler seus poemas ali pela primeira vez.

Victor Hugo Cavalcante: Para quem deseja obter mais informações sobre o Ponte de Versos e a editora, como entrar em contato com a Ibis Libris?

A Ibis Libris tem Instagram e site do seu catálogo.

E a Ponte de Versos é divulgada no meu Instagram e no da Ibis Libris.

Também se pode falar com a editora pelo e-mail ibislibris@gmail.com ou pelo WhatsApp 21-965800499.

Victor Hugo Cavalcante: Algo mais que gostaria de acrescentar?

A Ponte de Versos completa 25 anos em 2024 e a Ibis Libris, em 2025.

Já estamos comemorando desde agora e nos preparando para lançar a terceira antologia da Ponte de Versos, em junho de 2024 e o terceiro Poemas Cariocas, em agosto de 2025, celebrando as Bodas de Prata da Ibis Libris Editora.

As inscrições online para a antologia da Ponte de Versos 25 anos estão abertas.

Todos podem participar, basta ter vindo pelo menos uma vez à Ponte de Versos. As inscrições acabam em 31 de outubro, no aniversário de Drummond.

(Visited 58 times, 1 visits today)
Close
Pular para o conteúdo